segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Série Os Supercentenários – Parte II: Longevidade excepcional: Supercentenários, realidade ou ficção?

Série Especial de Reportagens - Projeto QVO VADIS

Por definição, um Supercentenário é qualquer ser humano que tenha, comprovadamente, vivido 110 anos ou mais.

“Não há evidência de que o limite máximo da vida humana tenha mudado em relação ao que era há centenas de milhares de anos atrás. Continua sendo 115 anos”, escreveu Leonard Hayick, um dos pioneiros da pesquisa moderna sobre o envelhecimento, em seu livro How and Why We Age (1994).

Não é surpreendente que alguns demógrafos antigos não acreditassem em idades superiores a 110 ou 115 anos nas condições da época (Paul Vincent, anos 50: "en l'état actuel des choses").

Entretanto, no mesmo momento em que Leonard escrevia seu livro, a francesa Jeanne Calment já havia excedido o limite de 115 anos de idade para a vida humana. Hoje temos evidências razoavelmente boas de que durante a década de 1990 outros indivíduos tenham igualmente atingido e ultrapassado essa idade.

Podemos, pois, rejeitar confiávelmente a afirmação de que 115 anos é o limite absoluto da longevidade humana.

Desde o início dos anos 90, esforços tem sido feitos para validar a idade reportada de pessoas cuja vida tem sido excepcionalmente longa. Parece que muitos dos casos alegados de longevidade excepcional, observados em toda parte do mundo, não podem ser documentados e grande parte desses casos talvez seja falsa.

Alguns casos de pessoas que atingiram a idade de 115 anos ou mais, porém, tem sido comprovados, bem documentados e validados por pesquisadores independentes. Parece ter havido mais de quinze casos genuínos, desde 1990, de pessoas que ultrapassaram a barreira dos 115 anos de idade.

As pessoas da lista a seguir são os seres humanos que, documentadamente, mais viveram na longa trajetória da existência humana:

- Jeanne Calment, que atingiu a idade de 115 em 21 de fevereiro de 1990;
- Charlotte Hughes que atingiu a idade de 115 em 1 de agosto de 1992;
- Margaret Skeete, que atingiu a idade de 115 em de outubro de 1993;
- Tane Ikai, que atingiu a idade de 115 em 18 de janeiro de 1994;
- Marie Meilleur que atingiu a idade de 115 em 29 de agosto de 1995;
- Sarah Knauss, que atingiu a idade de 115 em 24 de setembro de 1995;
- Maggie Barnes, que atingiu a idade de 115 em 6 de março de 1996;
- Chris Mortensen, que atingiu a idade de 115 em 16 de agosto de 1997;
- Annie Jennings, que atingiu a idade de 115 em 12 de novembro de 1999;
- Marie Bremont, que atingiu a idade de 115 em 25 de abril de 2001;
- Maud Farris-Luse, que atingiu a idade de 115 em 21 de janeiro de 2002;
- Kamato Hongo, who reached the age of 115 em 16 de setembro de 2002;
- Maria Esther Capovilla, que atingiu a idade de 115 em 14 de setembro de 2004;
- Hendrijke van Andel-Schipper, que atingiu a idade de 115 em 29 de junho de 2005;
- Elizabeth Bolden, que atingiu a idade de 115 em 15 de agosto de 2005;
- Bettie Wilson, que atingiu a idade de 115 em 13 de setembro de 2005;
- Susie Gibson, que atingiu a idade de 115 em 31 de outubro de 2005;
- Emiliano Mercado del Toro, que atingiu a idade de 115 em 21 de agosto de 2006;
- Julie Winnifred Bertrand, que atingiu a idade de 115 em 16 de setembro de 2006.

Nota: As informações acima são de domínio público, portanto sem sujeição a termos de confidencialidade e por isso estamos divulgando-as aqui.

Apesar de ainda poder haver dúvida sobre alguns poucos casos, todos foram ao menos validados por pesquisadores independentes, ou seja, não ligados ao livro dos recordes - Guiness World Records – que baseia sua validação exclusivamente em documentos enviados pelas famílias ou em registros públicos.

Outras pessoas, provavelmente, também chegaram a idade de 115 anos, mas seus casos não foram divulgados ou validados por pesquisadores independentes.

Em 1997 e 1998, imediatamente antes e depois da morte de Jeanne Calment, quatro pessoas com idade acima de 115 anos (documentadamente) estavam vivas, simultaneamente. Somente no final de 2005 havia um número equivalente de pessoas com mais de 115 anos vivas no mesmo momento da história.

Mas, relembrando, supercentenários são aqueles com idade acima de 110 anos. São reconhecidos hoje 81 supercentenários vivos - 78 mulheres e 3 homens.

Os dados, posicionados em 7 de agosto de 2010, são do Gerontology Research Group, um grupo de físicos, cientistas e engenheiros dedicado a diminuir e reverter o envelhecimento humano nos próximos 20 anos. Quem quiser ver a lista completa dos supercentenários, basta acessar http://www.grg.org/Adams/E.HTM


Supercentenários parecem ser um fenômeno muito novo, que primeiro emergiu dentre as mulheres e alguns anos depois entre os homens. É improvável que o número de supercentenários vivos hoje no mundo seja superior a 100 indivíduos. Talvez esteja mais próximo de 50, o número de casos comprovados.

Os supercentenários se tornaram algo possível pela proliferação dos “centenários”, ocorrida nos anos recentes (ver Parte I da Série: Os Supercentenários). Parece óbvio, portanto, procurar uma explicação para essa nova evolução demográfica representada pelos supercentenários e tentar determinar qual a tendência desse fenômeno.

Numa análise realizada com 637(*) supercentenários - sendo 573 mulheres (cerca de 90%) e 64 homens(cerca de 10%) - metade (50,9%) de todos os indivíduos morreu um ano após ter se tornado um supercentenário e três quartos (77,1%) morreu dentro de dois anos após ter completado 110 anos.

(*) Origem por país: 5 da Bélgica; 26 dos Países Nórdicos; 66 do Reino Unido; 10 do Canadá; 49 da França; 28 da Espanha, 17 da Alemanha; 4 da Suiça, 37 da Itália; 341 dos EUA e 54 do Japão.


Esse resultado indica que a expectativa de vida após os 110 anos é de 1,4 anos e que a probabilidade de morte de um ano para o outro gira em torno de 50%.

Mais do que isso, porém, esse estudo parece indicar que a mortalidade humana, surprendentemente, permanece constante entre 110 e 114 anos de idade. Devido aos poucos dados disponíveis, nenhuma conclusão pode ser tirada sobre o que acontece com a mortalidade a partir dos 114 anos.

Esse verdadeiro “platô” na curva de mortalidade é algo intrigante! Os cientistas estão começando a se debruçar sobre esses números, procurando explicar porquê a taxa anual de mortalidade se estabiliza em 50% entre a idades de 110 e 114 anos.

O inusitado desse achado contraria o aumento exponencial da força da mortalidade, conforme descrito pela distribuição de Gompertz, segundo a qual a taxa de mortalidade deveria continuar aumentando fortemente e sem interrupção, em todas as idades, ao invés de se estabilizar.

Em resumo, o que todos esses estudos mostram é que o aumento da mortalidade persiste entre as idades adultas e até os primeiros anos das idades mais avançadas. Que o ritmo no aumento da mortalidade começa a diminuir mais ou menos entre as idades de 80 e 85 anos. Que a mortalidade nas idades mais avançadas vem declinando nas últimas décadas. Que a melhoria nas taxas de mortalidade tem ocorrido em idades cada vez maiores e que o aumento da mortalidade cessa e parece ficar constante entre 110 e 114 anos de idade.

Seriam os supercentenários devidos principalmente a quantidade de nascimentos ocorrida cem anos atrás, ao declínio na mortalidade infantil e em menor grau, também ao declínio na mortalidade dos adultos?

Independentemente de, como, quando e onde surgiram, os supercentenários são hoje uma realidade incontestável.

As perguntas sobre os supercentenários passam a ser então:

Quais são as suas características?


Veja a resposta na próxima parte dessa série!

Grande abraço,
Eder.

Fonte: Adaptado de Demographic Research Monographs, 7 – 2010 – Springer Heidelberg Dordrecht

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Cuidados na Portabilidade

Hora no Mundo?

--------------------------------------------------------------------------

Direitos autorais das informações deste blog

Licença Creative Commons
A obra Blog do Eder de Eder Carvalhaes da Costa e Silva foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em nkl2.blogspot.com.
Podem estar disponíveis permissões adicionais ao âmbito desta licença em http://nkl2.blogspot.com/.

Autorizações

As informações publicadas nesse blog estão acessíveis a qualquer usuário, mas não podem ser copiadas, baixadas ou reutilizadas para uso comercial. O uso, reprodução, modificação, distribuição, transmissão, exibição ou mera referência às informações aqui apresentadas para uso não-comercial, porém, sem a devida remissão à fonte e ao autor são proibidos e sujeitas as penalidades legais cabíveis. Autorizações para distribuição dessas informações poderão ser obtidas através de mensagem enviada para "eder@nkl2.com.br".



Código de Conduta

Com relação aos artigos (posts) do blog:
1. O espaço do blog é um espaço aberto a diálogos honestos
2. Artigos poderão ser corrigidos e a correção será marcada de maneira explícita
3. Não se discutirão finanças empresariais, segredos industriais, condições contratuais com parceiros, clientes ou fornecedores
4. Toda informação proveniente de terceiros será fornecida sem infração de direitos autorais e citando as fontes
5. Artigos e respostas deverão ser escritos de maneira respeitosa e cordial

Com relação aos comentários:
1. Comentários serão revisados depois de publicados - moderação a posteriori - no mais curto prazo possível
2. Conflitos de interese devem ser explicitados
3. Comentários devem ser escritos de maneira respeitosa e cordial. Não serão aceitos comentários que sejam spam, não apropriados ao contexto da dicussão, difamatórios, obscenos ou com qualquer violação dos termos de uso do blog
4. Críticas construtivas são bem vindas.




KISSMETRICS

 
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil License.