quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Demografia, Destino e Mercado Financeiro

De São Paulo, SP.
Um fenômeno menos visível e que se move com muito mais lentidão se coloca na frente da recuperação estrutural da economia global, enquanto os países desenvolvidos patinam para reencontrar o ritmo do crescimento, restabelecer a integridade das finanças públicas, regular o sistema bancário e recuperar a perda de empregos no mercado de trabalho.
Apesar das projeções demográficas sobre a expectativa de vida e a fertilidade humana não estarem livres de erro, o acelerado envelhecimento da população mundial não deixa dúvidas: nosso destino está nas mãos da demografia.
As discussões em torno do rápido aumento da longevidade nos últimos 30 anos tem se concentrado nos impactos sobre os sistemas públicos e sobre “quem tomará conta da vovó”.
A atual população mundial de 6,5 bilhões de pessoas deverá aumentar mais 2,7 bilhões até 2050, o que tem gerado um debate paralelo, mais contencioso e neo-Maltusiano, envolvendo a ameaça de uma superpopulação que avança sobre os recursos naturais do planeta e que decorre igualmente do aumento da expectativa de vida.

Porém, o envelhecimento populacional tem outras conseqüências econômicas, sociais e políticas que começam a emergir das sombras escuras protagonizadas pela crise financeira.
Surge agora a percepção de que longevidade extrema está ameaçando a eficiência dos mecanismos de recuperação da economia, que se mostra incapaz de resgatar os níveis anteriores de emprego diante de uma força de trabalho envelhecida, estagnada e declinante.
A reconstituição dos níveis de poupança pública e privada se mostra vital no pós-crise para fortalecer nossa capacidade de financiar uma sociedade que envelhece, mas difícil de se obter sem que os governos imponham aos nossos filhos e a nós mesmos, níveis punitivos de impostos e taxas.
É difícil prever o impacto das mudanças demográficas sobre o mercado financeiro, cuja sensibilidade responde a incontáveis variáveis econômicas e financeiras.
Mas parece haver uma indicação de que chegou ao fim a era da apreciação contínua nos preços de ações e imóveis, que teve início nos 80 e durou até a crise global aparecer.
Esse longo período de bonança resultou da entrada da geração pós-guerra na força de trabalho. Um número de mulheres, sem precedentes, começou a trabalhar. Com nível de educação superior ao de seus pais, aumentou não apenas a quantidade, mas também a qualidade da mão-de-obra.
O consumo agregado cresceu e a poupança agregada também. Na maioria dos países, exceto talvez no Japão, essa poupança foi direcionada para o mercado de ações. Nos EUA e na Inglaterra, essa poupança também tomou a forma de investimentos em imóveis.
A época de ouro caracterizada por investimentos em ascensão e crescimento econômico acelerado, experimentada pelas economias ocidentais nos últimos 30 anos, ocorreu num momento histórico peculiar.
Foi um período de transição, chamado por alguns especialistas de “bônus ou dividendo demográfico”. A fertilidade em queda diminuiu a taxa de dependência infantil (nº pessoas entre 0-14 anos / nº pessoas entre 15-64 anos) num momento em que se expandia a população economicamente ativa (idades entre 15-64), mas antes que começasse a crescer significativamente a taxa de dependência do idoso (nº pessoas com mais de 65 anos / nº pessoas entre 15-64 anos).
Hoje, porém, os baixos índices de fertilidade estão colocando em cheque a oferta de mão-de-obra enquanto as despesas para cuidar do elevado contingente de idosos começa a pesar no orçamento das famílias.
Os padrões de consumo deverão mudar, compras espontâneas e de produtos de marca darão lugar a compras mais regulares e simples.
A poupança agregada vai declinar com o tempo e a migração na alocação de ativos de renda variável para renda fixa poderá fazer cair o preço das ações.
No mercado imobiliário a crise continuará por algum tempo a ser o principal determinante dos preços. Por outro lado, a faixa de idade entre 20 e 44 anos, constituída pelos consumidores que compram sua primeira casa, nos países desenvolvidos, deverá encolher entre 10% e 20% nas próximas duas ou três décadas (30% na Espanha e na China e 40% na Coréia do Sul).
Então, quando os últimos indivíduos da geração pós-guerra atingirem os 80-90 anos de idade lá por volta de 2025-2035, quem vai comprar as casas que eles venderão para pagar suas despesas com saúde e subsistência?
Perdendo os direcionadores do crescimento
Devemos girar os gráficos de cabeça para baixo e antecipar um longo período de declínio no preço dos ativos? Isso seria atribuir somente à demografia toda a valorização dos ativos nos últimos 30 anos, algo absurdo e que ignoraria os efeitos da desregulamentação econômica, da inovação e da virulenta expansão do crédito que ocorreram.
Mas, como tendência de longo prazo, é razoável prever que o ambiente econômico e o mercado financeiro serão definidos pela combinação única do aumento da expectativa de vida com as baixas taxas de fertilidade de hoje.
A menos que o efeito do envelhecimento populacional seja atenuado por fortes mudanças nas políticas em nível micro e macro, estaremos perdendo um importante direcionador do crescimento econômico.
Tirando a oferta de mão-de-obra, tudo que resta no momento para alavancar o crescimento econômico é um estoque de capital estagnado e um incerto e seguramente menor, aumento da produtividade. Isso não é nada bom.
Se olharmos para a força de trabalho veremos que há proporcionalmente menos pessoas jovens e um maior número de pessoas mais velhas. Trabalhadores mais velhos, quando desempregados ou subempregados tendem a permanecer assim.
Isso tudo é má-notícia quando se precisa recuperar o número de empregos e fazer as pessoas voltarem  para o mercado de trabalho privado o mais rapidamente possível, antes que uma nova desaceleração econômica se inicie.
A perda dos direcionadores do crescimento representada por uma menor oferta de mão-de-obra e pela característica atual do mercado de trabalho, não significa que o valor das ações vai certamente e persistentemente declinar. Mas sugere que a taxa de retorno das ações deverá cair se comparada com a das últimas décadas.
O capitalismo, simplesmente, recompensa a escassez. Se a oferta de mão-de-obra diminui em relação a disponibilidade de capital, os retornos recompensarão o primeiro.
Para os trabalhadores especializados e altamente capacitados isso é uma boa notícia. O contrário para aqueles que não são, já que uma produção dependente de tecnologia demanda capital humano cada vez mais capacitado.
Estamos sem parâmetros que indiquem o que nos aguarda, visto que o envelhecimento populacional do século 21 não tem precedentes. No entanto, parece razoável esperar menores taxas de retorno nos países em que a oferta de mão-de-obra passa por um aperto significativo e supor que a direção do mercado de ações continuará a depender de fatores como gestão macroeconômica, lucros, inovação e governança.
Perdendo nossa capacidade financeira
Dar apoio financeiro para uma sociedade que envelhece será uma tarefa cada vez mais difícil e levantará questões sobre a adequação da poupança individual e da continuidade dos sistemas públicos de previdência e saúde.
As pessoas não economizam o suficiente para a aposentadoria. Um estudo recente na Inglaterra mostrou que um quarto daqueles que podiam poupar não o faziam e metade dos homens e mais da metade das mulheres que poupavam, não economizavam o suficiente. Isso ocorre em praticamente todos os países.
Nos EUA uma pesquisa do FED - Banco Central americano - revelou que as pessoas próximas da aposentadoria possuem uma poupança em torno de R$ 90.000, excluindo o valor (hoje questionável) de suas casas.
De forma macabra, aqueles nascidos imediatamente antes da crise não poderiam ter escolhido melhor “timming” já que terão mais tempo para poupar para a aposentadoria.
O paradoxo, claro, é que se todos começarmos a poupar mais, será enviado um forte viés deflacionário para a economia capaz de desequilibrar os mercados de ações e o imobiliário, a menos que os governos possam usar seus recursos para contrabalancear esses efeitos.
O problema é que não podem. Nunca em tempos de paz tantas economias desenvolvidas enfrentaram gigantescos problemas fiscais ao mesmo tempo.
Parte da razão para estarem nesse verdadeiro buraco negro fiscal se deve a explosão nos passivos estruturais relacionados ao envelhecimento. De acordo com o FMI, o valor presente dos custos com previdência e saúde, projetados até 2050, ultrapassa em todo lugar o custo da recente crise bancária.
Tendo por base os compromissos existentes na metade de 2009, esse montante é superior a 600% do PIB na Espanha e Grécia, 500% do PIB nos EUA, 335% do PIB na Inglaterra e entre 200% e 300% do PIB nas maiores economias européias.
O número preciso desse passivo é menos importante do que sua ordem de grandeza e as implicações para as políticas públicas. Sob pressão orçamentária  governos estão sendo forçados a aumentar a idade de aposentadoria, congelar temporariamente o benefício da previdência social, aumentar as contribuições dos funcionários públicos para sua previdência e elevar os impostos para financiar a saúde.   
Não há esperança?
As respostas para todos essas questões econômicas e financeiras não são coisa do outro mundo, mas a vontade política e a criatividade para se fazer alguma coisa a respeito, estão em baixa.
As mudanças demográficas farão surgir novos produtos e novos consumidores, causarão mudanças significativas nas áreas da informação, biologia e matéria-prima, novas tecnologia de materiais poderão revolucionar os processos de produção, trarão mudanças na medicina e no tratamento de doenças, farão surgir novas formas de ativo e seguros, sem esquecermos do próximo bilhão de consumidores.
As características demográficas dos mercados emergentes ainda lhes dá, em grande parte, um bônus demográfico. Mesmo na China, o pool de migrantes rurais deve compensar, ainda por algum tempo, a diminuição da população economicamente ativa.
É nos mercados emergentes, com suas demandas massivas de infra-estrutura e capital, que os retornos serão os maiores a despeito dos trancos e barrancos.
Certamente ajudaria se os países relativamente pobres, com fracos sistemas de previdência social, aprendessem com a experiência do mundo rico aquilo que funciona e o que não funciona quando se trata de destino.

Grande abraço,
Eder.


Fonte: Adaptado de Investor’s Insight.com - George Magnus

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Cuidados na Portabilidade

Hora no Mundo?

--------------------------------------------------------------------------

Direitos autorais das informações deste blog

Licença Creative Commons
A obra Blog do Eder de Eder Carvalhaes da Costa e Silva foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em nkl2.blogspot.com.
Podem estar disponíveis permissões adicionais ao âmbito desta licença em http://nkl2.blogspot.com/.

Autorizações

As informações publicadas nesse blog estão acessíveis a qualquer usuário, mas não podem ser copiadas, baixadas ou reutilizadas para uso comercial. O uso, reprodução, modificação, distribuição, transmissão, exibição ou mera referência às informações aqui apresentadas para uso não-comercial, porém, sem a devida remissão à fonte e ao autor são proibidos e sujeitas as penalidades legais cabíveis. Autorizações para distribuição dessas informações poderão ser obtidas através de mensagem enviada para "eder@nkl2.com.br".



Código de Conduta

Com relação aos artigos (posts) do blog:
1. O espaço do blog é um espaço aberto a diálogos honestos
2. Artigos poderão ser corrigidos e a correção será marcada de maneira explícita
3. Não se discutirão finanças empresariais, segredos industriais, condições contratuais com parceiros, clientes ou fornecedores
4. Toda informação proveniente de terceiros será fornecida sem infração de direitos autorais e citando as fontes
5. Artigos e respostas deverão ser escritos de maneira respeitosa e cordial

Com relação aos comentários:
1. Comentários serão revisados depois de publicados - moderação a posteriori - no mais curto prazo possível
2. Conflitos de interese devem ser explicitados
3. Comentários devem ser escritos de maneira respeitosa e cordial. Não serão aceitos comentários que sejam spam, não apropriados ao contexto da dicussão, difamatórios, obscenos ou com qualquer violação dos termos de uso do blog
4. Críticas construtivas são bem vindas.




KISSMETRICS

 
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil License.